Como podemos perceber Krsna (Deus)?


    Srila Bhaktivedanta Madhava Maharaja: Krsna é Todo-Poderoso. Ele tem tantos saktis (poderes), como jiva-sakti, cit-sakti e maya-sakti. Estes três são proeminentes. Na verdade, sakti é um, e esse sakti é chamado antaranga-sakti, hladini-sakti ou para-sakti. De acordo com o desejo de Krsna, este sakti se paresenta diferente de acordo com diferentes funções. Nos Upanisads é afirmado:

 Na tasya karyam karanam ca vidyate Na tat-samas cabhyadhikas ca drsyate
 Parasya saktir vividhaiva sruyate Svabhaviki jnana-bala-kriya ca

 "O Senhor Supremo não tem nada a fazer, e ninguém é igual ou maior do que Ele, pois tudo é feito de forma natural e sistemática por Suas múltiplas energias". (Svetasvatara Upanisad 6.8)

   Neste mundo, tudo depende da teoria da causa e efeito. No início, há uma causa, e depois disso podemos ver um efeito. Mas para Bhagavan Sri Krsna, na tasya karyam karanam ca vidyate. Ele está completamente além da teoria da causa e efeito.

    Srila Bhaktivedanta Narayana Maharaja: Krsna é sarva-saktiman(o possuidor de todos os poderes ou energias). Não podemos vê-Lo com esses olhos ou com essa inteligência, nem podemos tocá-Lo com esses sentidos. Embora Ele esteja além do nosso limite, quando Ele deseja, Ele chama Yogamaya, e Yogamaya toca esse mundo e Krsna também, e naquele momento pode-se vê-Lo.

    Alguns acreditam que Krsna é Deus dos deuses, e alguns não acreditam nisso. Kamsa viu Krsna, e Krsna tocou seu corpo. Carana e Mustika também O viram, e Ele também tocou seus corpos; mas nunca perceberam que Ele é Deus. Duryodhana e Jarasandha também O viram, e Ravana, Kumbhakarana, e outros demônios viram Rama. Rama também é Krsna, mas eles nunca perceberam isso. Eles estavam sob a influência de maya, enquanto aqueles que estão na associação de Vaisnavas de classe alta podem perceber quem é Deus pela misericórdia de Yogamaya. Ele é, portanto, sarva-saktiman.


   Krsna manifesta este mundo por pradhana, que se manifesta como ar, água, fogo, éter e terra. Pradhana é material, mas também é uma sakti, e esse poder de Krsna é chamado de maya-sakti ou bahiranga-sakti (energia externa).


 

Como é que reconhecemos um vaishnava?


Pergunta: como podemos reconhecer um guru ou um vaishnava? Como podemos saber a quem devemos servir e receber orientação?


Srila Bhakti Sundar Govinda Dev-Goswami Maharaj responde: É muito difícil reconhecer um vaishnava.


Vaishnava chinite nare devera śakati Mui kona chara Sisu Alpha-Dead
" Mesmo os semideuses não conseguem reconhecer um vaishnava. Então, como devo reconhecer um ?“.


  É muito difícil reconhecer um vaishnava, mas podemos ter alguma ideia sobre quem é vaiṣṇava através das definições de um vaishnava dado nas Escrituras.
Viṣṇur asya Devatā iti vaiṣṇava:  Alguém cujo o senhor adorável é Vishnu é um vaishnava. Esta é uma definição padrão. No Sri Chaitanya-Charitāmṛta, Sri Chaitanya Mahaprabhu deu uma variedade de definições de um vaishnava:



“ataeva yā̐ra mukhe eka kṛṣṇa-nāma sei ta’ vaiṣṇava, kariha tā̐hāra sammāna”
(Sri Chaitanya-Charitāmṛta: Madhya-Lila, 15.111)


"Alguém que uma vez cantou o nome de Krsna é um vaishnava. Ele deve ser respeitado."


“kṛṣṇa-nāma nirantara yā̐hāra vadane sei vaiṣṇava-śreṣṭha, bhaja tā̐hāra charaṇe
(Sri Chaitanya-Charitāmṛta: Madhya-Lila, 16.72)


"Alguém que constantemente recita o nome de Krsna é um grande vaishnava. Ele deve ser servido."


yā̐hāra darśane mukhe āise kṛṣṇa-nāma tā̐hāre jāniha tumi ‘vaiṣṇava-pradhāna’
(Sri Chaitanya-Charitāmṛta: Madhya-Lila, 16.74)


"Alguém cuja associação faz os outros cantarem o nome de Krsna é o maior vaishnava."


   Depois que Srila Saraswati Thakur viajou por toda a Vṛndāvan em parikrama, ele bateu na sua testa e disse: "Eu sou tão infeliz. Eu vim a Vṛndāvan para ver os vaiṣṇavas, mas eu não vi nem um vaishnava".  Como poderia ele dizer isso? Todas as pessoas em Vṛndāvan são vaishnavas; todos lá veneram Krsna e às vezes dizem: "Krsna, Krsna".
Há algum Vaiṣṇavismo dentro de todos lá. Através da expressão de Śrīla Saraswatī Ṭhākur, podemos entender que é necessário perceber que há uma gradação[Gradação refere sempre aumento ou diminuição, progressão ascendente ou descendente].