As oito manjaris de Radhika.

As oito  manjaris de  Radhika.
Rupa Manjari





   Na parte norte da kunja de Sri Lalita Sakhi se localiza a Rupollasa Kunja, onde a muito bela e graciosa Sri Rupa Manjari reside. Ela é a principal entre os gopis conhecidas como priya-narma-sakhis. Sua pele é da cor da gorocana (um pigmento amarelo brilhante secretada a partir de rim de uma vaca), e ela encanta com um vestido cor de penas de pavão. Sua idade é de 13 anos e  6 meses. Os panditas chamam ela de  Rangana-malika. Em idade, ela é um dia mais jovem do que Lavanga Manjari. No gaura-lila ela aparece como Srila Rupa Gosvami.








Radha , Rati e Rupa Manjari
Rati Manjari




Na parte sul do kunja de Sri Indulekha se localiza o Ratyambuja kunja, onde a bela Sri Rati Manjari sempre reside. O vestido dela é coberta com estrelas, sua tez é como um relâmpago, e ela é daksina-mrdvi na natureza. Os panditas também chamam ela de Tulasi. Sua idade é de 13 anos e 2 meses. Em Kali-Yuga, no gaura-lila, ela é conhecida como Raghunatha dasa Gosvami.



Lavanga Manjari

Na parte oriental do kunja de Sri Tungavidya se localiza o Lavanga-sukhada Kunja, que é muito encantador para todos os belos olhos das gopis. Nesse kunja, Sri Lavanga Manjari sempre alegremente reside. Em idade, ela é de um dia mais velha que Sri Rupa Manjari, e ela é muito famosa por sua natureza agradável. Sua pele é como um relâmpago, e ela usa um vestido marcadas com estrelas. Ela dá muita felicidade para Sri Krishna, e sua natureza é sempre daksina-mrdvi. Sua idade é de 13 anos, 6 meses e 1 dia. Em Kali-Yuga, no gaura-lila, ela é conhecida como Sri Sanatana Goswami.

Rasa Manjari

Na parte ocidental do kunja de Sri Citra fica o Rasananda Kunja, onde a bela Rasa Manjari sempre reside. Ela é famosa como tendo em todos os aspectos da vida de Sri Rupa Manjari. Seu vestido é como as penas de um cisne, e sua pele é como uma flor campaka totalmente florescida. Ela é rica em qualidades muito parecidas com as de Sri Lavanga Manjari. Porque ela se abrigou em Sri Rupa Manjari,  tornou-se muito querida para ela. Ela serve como uma mensageira entre Radha e Krishna, e ela é muito inteligente na organização de Seu encontro. Sua idade é de 13 anos, e no gaura-lila, ela é conhecida como Raghunatha Bhatta Goswami.


Guna Manjari

Na parte nordeste do kunja de Sri Campakalata está o belo Gunanandaprada Kunja, onde Sri Guna Manjari sempre reside. Sua pele é brilhante como um relâmpago, e ela usa um fino vestido de seda da cor de uma flor de jaba vermelha. Ela é famosa por seu forte desejo de fazer Rupa Manjari feliz. Ela é três dias mais jovem que Sri Tulasi (Rati Manjari) e é o deleite de Sri Krishna. Ela é descrita como sendo daksina-prakhara na natureza. Sua idade é de 13 anos, 1 mês e 27 dias. No gaura-lila ela é conhecida como Sri Gopala Bhatta Goswami.


Manjulali Manjari

Na parte norte do kunja de Sri Sudevi está o belo Lilanandaprada Kunja, onde a encantadora Sri Manjulali Manjari sempre reside. Ela é cheia de qualidades agradáveis ​​e é muito querida por Sri Rupa Manjari. Seu vestido é vermelho como uma flor jaba, e sua pele é como ouro fundido. Ela também é conhecida como Sri Lila Manjari. Sua natureza é vama-madhya, e sua idade é de 13 anos, 6 meses e 7 dias. No gaura-lila ela é conhecida como Sri Lokanatha Goswami.



Vilasa Manjari

Na parte sudeste do kunja de Sri Visakha encontra-se o muito bonito Vilasanandada Kunja, onde Sri Vilasa Manjari permanece sempre como uma das sakhis de Sri Rupa Manjari. Ela tem a cor do corpo como o de uma flor Ketaki dourada, e seu vestido é a cor de um zangão. Sua natureza é vama-mrdvi, e ela é 4 dias mais jovem que Sri Rasa Manjari, com a idade de 12 anos, 11 meses e 26 dias. No gaura-lila ela é conhecida como Sri Jiva Goswami.



No canto sudoeste do kunja de Sri Rangadevi encontra-se mais um kunja, que é conhecido como Kausturyanandada Kunja, a residência do Sri Kausturi Manjari. Ela usa um vestido que se assemelha a um cristal, e sua pele é como de ouro puro. Sua idade é de 13 anos, e sua natureza é vama-mrdvi. Em Kali-Yuga, no gauranga-lila, ela é conhecida como Sri Krsnadasa Kaviraja Gosvami.

 
Kasturi Manjari


Um sloka (verso) controverso do Bhagavad-gita resolvido por Srila Bhaktivinoda Thakur.


   Certa vez em uma assembleia na Índia, seus membros não conseguiam reconciliar um sloka do Bhagavad-gita (cap.9, verso 30): api cet suduracaro.......
Mesmo que uma pessoa cometa as ações mais abomináveis, se ela estiver ocupada em serviço devocional, deve ser considerada santa, por estar devidamente situada”.

  Eles não conseguiam reconciliar isto. ‘Su duraca’ significa que talvez ele seja um ladrão, um debochado, ou tantas outras coisas. Sendo um libertino como poderia ser considerado um santo? Como ele será respeitado? Eles não conseguiam conciliar. Eles vieram até Srila Bhaktivinoda Thakur e ele foi ao alto da assembleia e disse: “Sim, api cet suduracaro....., se ele for unidirecionado, cem por cento devoto de Krsna, talvez ele seja um libertino ou qualquer outra coisa, você tem que respeitá-lo. Como podemos reconciliar isto, se ele é um libertino ou ladrão? De acordo com suas impressões passadas ou desta vida, se ele for um devoto unidirecionado, então muito em breve se tornará um  bom devoto. Então devemos respeitá-lo”.

Palavras  de Srila Bhaktivedanta Madhava Maharaja, no Parikram de Sri Navadvipa Dham, na ilha de Godruma, na casa (bhajana kutir) de Srila Bhaktivinoda Thakur.

Srila Bv Madhava Maharaja fala sobre o surgimento das jivas (entidade viva).


  Srila Bhaktivinoda Thakur explica em seu livro Jaiva Dharma [temos em português] que existem três tipos de manifestação das jivas. (1) Uma veio de Sri Baladeva Prabhu, que são associados eternos da Suprema Personalidade de Deus, Krsna. Eles não pensam em nada que não seja o serviço a Krsna. Eles não têm tempo para pensar sobre este mundo material ou para pensar que estamos aqui sofrendo os três tipos de misérias.

  (2) Depois tem as jivas que vieram de Sankarsan. Estes são os associados dos inumeráveis planetas Vaikuntha. Eles também não têm tempo para pensar na existência do mundo material ou sobre aqueles que estão sofrendo aqui. E o (3) terceiro tipo de jiva veio de Karanodakasayi Visnu e são de dois tipos: almas liberadas e almas condicionadas. A maioria de nós veio de Karanodakasayi Visnu [Também conhecido como Maha-Vishnu, é a expansão Vishnu do Senhor Krsna da qual todos os universos materiais emanam. Milhões e milhões de tais universos que emanam dos poros da Karanodakshaya Vishnu]. Srila Bhaktivinoda disse isto.

Relato  de Srila Bhaktivedanta Madhava Maharaja no Parikram de Sri Navadvipa Dham, na ilha de Godruma, na casa (bhajana kutir) de Srila Bhaktivinoda Thakur.

Como Srila Bhaktivinoda Thakur achou o local de aparecimento de Sri Caitanya?


  Srila Bhaktivinoda costumava executar seu bhajan aqui nesse lugar. Um dia, à meia-noite, ele viu [aponta a direção] naquela direção que uma luz muito forte estava vindo dali. Depois disso ele viu que Sri Caitanya Mahaprabhu e Seus associados estavam dançando e realizando kirtan no local. No dia seguinte, à meia-noite, ele viu a mesma cena. Ele perguntou a seu assintente chamado Kamal “Você viu isso?”

   Então, no dia seguinte, Srila Bhaktivinoda  cruzou o Ganges e foi até aquele lugar. A noite ele havia visto uma palmeira, mas ao chegar ao local viu que havia muitas tulasis. Ele perguntou: “Por que vocês não cultivam algum grão aqui?” Os agricultores responderam: “Sempre que cultivamos algo aqui, aparecem plantas de tulasi. Por isso não plantamos nesse lugar”. Então Srila Bhaktivinoda, com o auxílio de Srila Jaganatha das Babaji Maharaj e um mapa de Londres [feito pelos cartógrafos londrinos da época] descobriu que esse era o local do aparecimento de Sri Caitanya Mahaprabhu.

Relato  de Srila Bhaktivedanta Madhava Maharaja no Parikram de Sri Navadvipa Dham, na ilha de Godruma, na casa (bhajana kutir) de Srila Bhaktivinoda Thakur.

Este mundo é realmente uma prisão para as almas condicionadas?

   
  Aqueles que não desejam qualquer coisa deste mundo material são chamados niskincana devotos. Em sua opinião, não há nada, nenhum objeto ou entidade neste mundo, que podem nos dar felicidade eterna. Esta terra é uma prisão para a alma condicionada. Como resultado de nossa aversão a Krishna nos tornamos prisioneiros aqui e estamos sofrendo, assim, tanta dor e agonia. Como prisioneiros estamos sob o controle do carcereiro desse presídio - nossa mente - e, consequentemente, nós concebemos a nossa tristeza como  sendo felicidade. Com isso atingimos nossa devida aflição. Cada tolo que corre atrás de gozo dos sentidos neste mundo material ilusório vai encontrar-se enredado por ignorância nas garras de maya.

   Aqueles que são grha-vrata, que tomaram um voto para entrar e aproveitar a vida mundana, pensa: "Devemos obter um servo e, agora que nos tornamos grha-vrata, iremos gerenciar tudo com facilidade e facilmente compreenderemos tudo com a ajuda de nossos próprios sentidos". O desejo de se tornar um político, um literato, um estudioso, uma pessoa rica, um altruísta, o líder de uma nação, um intelectual ou um materialista em geral é nada, mas sim o desejo de se tornar o mestre de maya.
 
No entanto, Prahlada Maharaja diz, "Não deixe que os seus sentidos vaguem para o mundo exterior. Não segure objetos materiais externos com estima". Nós nos tornamos deha-atmavadis (aqueles que consideram o corpo como sendo o eu) e grha-vrata (aqueles que tomaram um voto para entrar e aproveitar a vida mundana) e, assim, nós nos vestimos como mestres deste mundo. Nós vemos este mundo com os olhos de quem busca satisfação egoísta e prazer, e pensamos que todos devem ser nossos servos, sempre dispostos a esperar por nós. Todos os elementos como terra, água, fogo, ar, éter; assim como a lua, o sol, os planetas, as constelações; plantas, animais, árvores e trepadeiras - todos estão preparados para o meu prazer. Nós pensamos: "Eu sou o desfrutador deste mundo; tudo se destina a servir-me". Mas será que alguma vez consideramos para que é este mundo  na verdade? É um instrumento para ser usado no serviço de Jagadisvara, o Senhor do Universo. Se não estamos envolvidos em hari-bhajana, então, não temos sequer o direito de tomar um pedaço de palha deste mundo.

 
Resposta de Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Thakura Prabhupada